Bem-vindo ao blogue do Centro de Língua Portuguesa do Camões, IP na Universidade da Extremadura /Cáceres

Bienvenido al blog del Centro de Lengua Portuguesa del Camões, IP en la Universidad de Extremadura /Cáceres




19/06/17

"Memoria y Anatomía del Territorio" - Museo Vostell Malpartida


Dia 21 de junho é inaugurada a exposição temporária “Memoria y Anatomía del Territorio”. O vínculo com a vanguarda artística portuguesa dos ano 70 é explorado nesta exposição, revisitando eventos produzidos a partir de 1978 dos artistas João Vieira, Irene Buarque, São Pestana e Alberto Carneiro.
A exposição pode ser visitada até outubro.
 


14/06/17

Encontro literário Palavra Ibérica


 

É com muito gosto que partilhamos convosco o cartaz e o programa do encontro literário Palavra Ibérica deste ano, que será já nos próximos dias 23 e 24 de junho, Centro Cultural Antonio Aleixo,  sala CA2, em Vila Real de Santo António.

Serão dois días com a presença de vários escritores do Algarve e da Andaluzia, apresentações dos seus livros, recitais, micro-concertos e performances diversas.









13/06/17

O escritor português Manuel Alegre é o vencedor do Prémio Camões 2017




 

Manuel Alegre de Melo Duarte nasceu a 12 de maio de 1936, em Águeda, estudou Direito na Universidade de Coimbra, onde foi dirigente estudantil.
Na ditadura do Estado Novo, apoiou a candidatura do general Humberto Delgado, foi fundador do Centro de Iniciação Teatral da Academia de Coimbra (CITAC), membro do Teatro de Estudantes da Universidade de Coimbra (TEUC), campeão nacional de natação e atleta internacional da Associação Académica de Coimbra.
Dirigiu o jornal A Briosa, foi redator da revista Vértice e colaborador de Via Latina.

Esteve dez anos exilado em Argel, onde foi dirigente da Frente Patriótica de Libertação Nacional, e fez parte dos quadros da emissora de Rádio Portugal Livre.
Na década de 1960, os seus dois primeiros livros, "Praça da Canção" (1965) e "O Canto e as Armas" (1967), foram apreendidos pela censura.


Na nossa biblioteca pode encontrar algumas das obras do escritor.
  
- Cão como Nós
- Uma Estrela
- Jornada de África
- Uma Carga de Cavalaria
- Un perro como nosotros




Novidades no CLP/C


Chegaram ao CLP/C  três filmes pertencentes à "Coleção Escritores Portugueses", em que se fala sobre a vida e a obra de vários autores.

João Pinto Nogueira fala-nos sobre a vida de Nuno Bragança.



Nuno Bragança. Autor de três romances: A Noite e o Riso, Directa e Square Tolstoi, uma coletânea de contos: Estação e uma novela póstuma: Do Fim do Mundo. Argumentista de Os Verdes Anos, filme inaugural do Cinema Novo Português e co-realizador, com Gérard Castello-Lopes e Fernando Lopes, do filme Nacionalidade: Português.

Católico e de família conservadora, milita no MAR (Movimento de Acção Revolucionária). Integra as Brigadas Revolucionárias de Carlos Antunes e Isabel do Carmo ao mesmo tempo que trabalha na representação permanente de Portugal junto da OCDE. A 7 de Fevereiro de 1985, morre, aos 55 anos, num quarto de hotel em Lisboa.




André Godinho apresenta-nos um filme que gira em redor da figura de Manuel Hermínio Monteiro.




O Hermínio gostava de partilhar os seus segredos. Trás-os-Montes era um segredo, como a noite de Lisboa. A comida era um segredo, como o vinho e os charutos. Os amigos eram um segredo, como os poetas, que também eram os amigos. E os livros eram o maior segredo. Desvendou-os todos na editora Assírio & Alvim.

Este documentário conta com a participação de Manuela Correia, Sérgio Godinho, Graça Morais, Manuel António Pina, entre outros. 








Solveig Nordlund fala-nos da vida de António Lobo Antunes.





António Lobo Antunes no auge da sua carreira recebe o grande prémio de literatura da Feira Internacional do Livro em Guadalajara, México. A entrega do prémio é o ponto de partida para uma passagem em revista da sua vida e obra. A infância, a psiquiatria, a guerra colonial, o 25 de Abril, os livros, a doença. Em 2006, foi-lhe diagnosticado um cancro. Foi grave, foi operado. O perigo de morte está ultrapassado. Mas a doença deixou marcas, a sua atitude perante a vida modificou-se, só vai publicar mais dois livros.

Os Santos Populares - Santo António de Lisboa


Santo António de Lisboa


Existem centenas de santos em todo o mundo, mas apenas um nasceu em Lisboa: Santo António, no fim do Século XII. O seu verdadeiro nome era Dom Fernando Bolhão e era descendente de uma família bastante abastada. Não obstante, aos 20 anos decidiu esquecer a herança dos pais e dedicar-se à religião. Nessa época pertencer ao clero era uma grande honra.

Porém fartou-se depressa das falsidades que via à sua volta e tornou-se padre franciscano, ou seja, uma figura dedicada aos mais pobres, tendo mudado inclusive de nome como sinal da sua dedicação à Igreja, substituindo o nome de Fernando pelo de Irmão António. Começou a viajar por todo o mundo, onde se tornou muito conhecido pela sua dedicação a sua vida toda aos outros, tal como mandavam os franciscanos!

Também ficou muito conhecido pelas aulas que dava nas Universidades mais conhecidas da Europa. A Santo António pode-se, igualmente, atribuir o nome de Santo António de Pádua, uma vez que o santo viveu alguns anos nesse lugar. Não se sabe com certeza o ano em que este faleceu, mas a data mais apontada é 13 de junho.

Este santo popular é conhecido como o "santo casamenteiro". Mas porquê? Não se lhe conhece nenhuma mulher e nos seus milagres não consta que tenham a ver com casamentos.Somente se trata de uma mistura entre as festas pagãs e o Cristianismo, uma vez que sendo comemorado no início do verão, numa época relacionada com a fecundidade, quando nascem novos frutos, novos cereais e as pessoas se casavam.

Igualmente, Santo António é evocado como o santo que ressuscita os mortos, que cura as doenças, que assegura e multiplica as provisões, que ajuda os marinheiros, que vela pela felicidade do casamento, que encontra as coisas perdidas e que fala com o Menino Jesus.

Em Lisboa, as celebrações dedicadas a este santo ocorrem desde o Século XVI. Todos os bairros da cidade participavam nas festas e tentavam ser os mais vistosos, nascendo, posteriormente, as marchas populares e atividades variadas que ainda hoje subsistem!
No ano de 1950, surgem as "Noivas de Santo António“. Tudo começou com o jornal "Diário Popular" que ajudava os mais pobres a fazer uma festa de casamento no dia do santo. Juntamente, ofereciam o enxoval e os equipamentos domésticos através de vários comerciantes que ganhavam com a publicidade. E assim nasceu mais uma tradição! 
Nas noites de Santo António acaba o silêncio na cidade de Lisboa e onde for a festa deste santo há sardinhas assadas, música, manjericos, pão quente, vinho e festa até de manhãzinha!

Tradições e crenças

 É uma tradição as crianças de Lisboa pedirem na rua "um tostãozinho para o Santo António“, pois antigamente faziam altares onde as pessoas podiam deixar esmolas para o santo... ou para as crianças!

As raparigas para verem com quem vão casar: "À meia- noite, a rapariga, num quarto às escuras, diante de um espelho, chama por Santo António sete vezes e acende uma vela... e logo verá refletido o rosto do homem com quem casará." Para saberem o nome do rapaz com quem vão casar, a rapariga devia, “depois de se extinguirem as últimas labaredas da fogueira, no borralho que fica, metem 1.000 escudos (5 euros). No outro dia vão buscar o dinheiro e dão-no ao primeiro mendigo que aparece, cujo nome é o nome do homem com quem casarão." 








Milagres de Santo António

• Sermão aos peixes

Conta o milagre que Santo António estava um dia a pregar numa cidade costeira italiana, e como ninguém o queria ouvir, foi até ao mar e começou a pregar aos peixes dizendo: "Ouvi a palavra de Deus vós, peixes do mar e do rio, já que a não querem escutar os infiéis, os hereges". Então, uma grande quantidade de peixes pôs a cabeça fora de água para ouvir falar o Santo, para espanto de todos os que viam aquilo. Foi assim que muitos se converteram ao Cristianismo!

• Menino Jesus

Reza a lenda que existia um Conde muito conhecido que tinha um castelo com um espaço onde os frades podiam dormir e rezar. Um dia, estava Santo António no seu quartinho quando este se encheu de luz e o Menino Jesus lhe apareceu. O Conde viu a luz e também o Santo a pegar na criança, enquanto falava com ela. Na presença deste milagre o Conde ficou maravilhado, mas prometeu ao Santo António que só contava o que se tinha passado depois do Santo morrer.

Daí nasceu a imagem de santo protetor das crianças!


fonte:https://pt.slideshare.net/CristinaAlves9/os-santos-populares

08/06/17

Dia de Portugal na Comunidade Autónoma da Extremadura



A Comunidade Autónoma da Extremadura celebra o

Dia de Portugal, Camões e das Comunidades Portuguesas.


Com a coordenação da Dirección General de Acción Exterior da Junta de Extremadura, são várias as atividades promovidas por inúmeras  entidades estremenhas e portuguesas, como a Secretaría General de Cultura de la Junta de Extremadura; Extremadura Avante; Biblioteca Regional de Extremadura; Biblioteca Pública de Badajoz; Instituto Camões; Escuela de Hostelería y Agroturismo de Extremadura; Editora Regional; Filmoteca de Extremadura; Fundación Helga de Alvear; Confraria Gastronómica do Alentejo; Museo Extremeño Iberoamericano de Arte Contemporáneo de Badajoz; Sociedad Filarmónica de Badajoz; Museo de Arte Contemporâneo de Elvas; Sala Terracota; Club de Lectura de portugués A língua de Camões; Fundación Caja Badajoz; 46 establecimentos de hotelaria de Cáceres e Badajoz e 9 livrarias extremenhas.


GASTRONOMIA E ARTESANATO

A gastronomia portuguesa terá uma relevância especial no dia de Portugal com a “Rota do Petisco”. Trata-se uma rota de tapas portuguesas em 25 bares e restaurantes de Badajoz e 21 estabelecimentos hoteleiros de Cáceres, entre os dias 9 e 11 de junho.
No dia 9 de junho, decorrem na Escola Superior de Hotelaria e Agroturismo da Extremadura, em Mérida, duas demostrações de cozinha alentejana a cargo do chefe Manuel Fialho e uma degustação de produtos alentejanos, a cargo da Confraria Gastronómica do Alentejo.

Entre as novidades, destaca-se uma oficina infantil de cerâmica na Sala Terracota, em Mérida, no dia 10 de junho. Neste espaço os mais pequenos também podem conhecer a história da cerâmica na Extremadura e no Alentejo. As cidades de Évora, Reguengos de Monsaraz, São Pedro do Corval e Salvatierra de los Barros são alguns dos sítios que ajudam a apreciar a riqueza de formas e cores desta tradição milenar, e redesenhar um ícone tão português como é a sardinha.

EXPOSICÕES

Desde o dia 2 de junho está patente na Sala de Actividades Alternativas de Olivenza uma exposição do português Carlos Santos Marques, membros do coletivo Invent'art Atelier.

No dia 8 de junho, inaugura-se no Edificio Badajoz Siglo XXI uma importante exposição que reúne peças de arte contemporânea dos museus MACE (Museu de Arte Contemporânea de Elvas) e do MEIAC (Museo Extremeño e Iberoamericano de Arte Contemporáneo), com a finalidade de imaginar e desenhar o mapa da eurocidade Elvas-Badajoz-Campo Maior.

O Centro de Artes Visuales de la Fundación Helga de Alvear realiza, no dia 9 de junho, uma visita guiada em português à exposição do artista Jürgen Klauke, recentemente inaugurada.


MÚSICA E CINEMA

Dentro da programação do Festival Ibérico de Música de Badajoz, no dia 11 de junho, terá lugar na Residencia Universitaria da Fundación Caja Badajoz um concerto de solistas da Orquestra Sinfónica Juvenil Portuguesa, que interpretarão obras de Brahms, Grieg y Spohr.

A Filmoteca da Extremadura em Cáceres, Badajoz e Mérida  exibe a trilogia “As mil e uma noites” do realizador português Miguel Gomes. Uma versão moderna da obra literária com os títulos: “O inquieto”, “O desolado” e “O encantado”.







LITERATURA

As bibliotecas da região também se juntam a estas comemorações do Dia de Portugal e têm programadas diferentes atividades. No dia 10 de junho à tarde, na Biblioteca Pública “Bartolomé J. Gallardo” de Badajoz, haverá um concerto de fados, uma conferência sobre o humor na literatura portuguesa, uma maratona de leitura em língua portuguesa (com o apoio do Camões, IP) e a exposição “Mais que a leitura”.

A Biblioteca de Extremadura (Plaza de Ibn Marwan s/n) expõe até ao mês de setembro, “Extremadura y Portugal, Letras sin fronteras”. Trata-se de uma ampla mostra que abarca várias décadas de publicações relacionadas com Portugal: estudos literários e artísticos, os primeiros congressos transfronteiriços, a revista literária Suroeste, edições de clássicos lusos, urbanismo, gastronomia, história, política o jornalismo.

As livrarias de Badajoz, Cáceres, Mérida e Olivenza participam também na celebração com uma mostra de autores portugueses e publicações relacionadas com Portugal, que ocuparão um lugar destacado nas suas montras entre os dias 5 e 15 de junho.



Mais informação em:
 http://www.euro-ace.eu/sites/default/files/programa_dia_portugal_en_extremadura_.pdf