Bem-vindo ao blogue do Centro de Língua Portuguesa do Camões, IP na Universidade da Extremadura /Cáceres

Bienvenido al blog del Centro de Lengua Portuguesa del Camões, IP en la Universidad de Extremadura /Cáceres




03/07/17

X Festival de Flamengo e Fado de Badajoz

 
O 10.º Festival de Flamengo e Fado de Badajoz realiza-se nos próximos dias 6, 7 e 8 de julho na cidade de Badajoz.
Este acontecimento cultural é promovido pela Junta da Extremadura, por meio do Teatro López de Ayala, com o apoio do município de Badajoz. Nos últimos dez anos este evento mostrou o melhor do fado e do flamengo, proporcionando a muitos estremenhos a descoberta do fado e a muitos portugueses o flamengo.
Nesta edição, o Festival de Flamengo e Fado de Badajoz acolhe propostas artísticas diversificadas em que se incluem a Companhia Nacional de Ballet de Espanha (quinta-feira, 6 de julho). No segundo dia, sobe ao palco o espetáculo Mediterráneas (um dueto de vozes com a israelita Noa e a espanhola Pasión Vega), seguido pelo guitarrista português António Chaínho. Dia 8, último dia do festival, uma representação inédita com cantores, bailarinos e músicos do flamengo com o título Familia Porrinha e, para fechar o festival, o fadista Camané, com uma voz única na arte de cantar fado e que oferecerá ao público de Badajoz um reportório especial.




28/06/17

Os Santos Populares - São Pedro






São Pedro é um dos santos mais antigos da religião católica, tendo sido um dos Apóstolos de Jesus Cristo. Contudo, o seu verdadeiro nome era Simão, mas Jesus deu-lhe o nome de Pedro, que vem da palavra pedra, porque seria ele a "pedra sobre a qual se iria construir a igreja cristã".



Pedro era pescador nos mares da Galileia, por onde Jesus andava a pregar, e era irmão de André, outro dos Apóstolos. Curiosamente, conheceram-se através de São João Baptista. Desde que conheceu Jesus Cristo que São Pedro o começou a seguir.
Conta-se que se aborrecia facilmente com as pessoas e que essas discussões o deixavam abatido e triste. Por outro lado, tinha muitas dúvidas, mas era o primeiro a ter todas as iniciativas. Talvez pela sua bondade e boa vontade, Jesus Cristo lhe desse a missão de chefe da Igreja, tendo sido o primeiro Papa! 


Mas como foi que chegou até lá?  Depois de Jesus ter dito que todos os Apóstolos o abandonariam, São Pedro disse que isso não iria suceder. Porém, na noite em que Jesus morre, São Pedro acaba por afirmar três vezes que não conhece Jesus, para não ser preso. O galo terá cantado no momento em que Pedro fez a terceira negação!

 No entanto, um mês depois, com coragem falou para uma multidão inteira sobre "a Boa Nova". E tal foi a força das suas palavras que mais de três mil pessoas se terão convertido à nova fé.
Depois da morte de Jesus, São Pedro andou por quase todo o mundo conhecido até à época a falar às pessoas da nova religião.Conta-se que nas suas viagens curou muitas pessoas e fez milagres que deixavam as pessoas de boca aberta. 

Assim foi durante muitos anos e a igreja que Jesus lhe tinha deixado nas mãos foi crescendo a olhos vistos! Infelizmente, havia ainda muitas pessoas que não o aceitavam e por isso teve que fugir de todas as perseguições que existiam contra os cristãos. Pedro acabou por ser morto por ordem do Imperador Nero, o mesmo Imperador que cantava para um público muito aborrecido de o ouvir, em vez de mandar apagar os incêndios que lavravam em Roma! Nero mandou crucificar São Pedro, mas este quis a sua cruz de cabeça para baixo, porque achava que não era digno de morrer como Jesus!
Na época, Pedro tinha já uma idade bastante avançada o que seria difícil de alcançar nessa época. Em 1968, fizeram-se algumas escavações por baixo da basílica de São Pedro, no Vaticano, em Roma (Itália) e descobriram-se alguns ossos que foram aceites como sendo os de São Pedro, uma vez que se sabe que ele morreu naquela zona. 




Festividades
A noite de 29 de junho não é tão empolgante quanto a animação verificada nas festas dos outro santos populares, mas em homenagem ao santo, acendem-se fogueiras, erguem-se mastros com sua bandeira e queimam-se fogos. Também se fazem procissões terrestres, organizadas pelos pecadores, sendo S. Pedro o seu padroeiro.




fonte: https://pt.slideshare.net/CristinaAlves9/os-santos-populares

26/06/17

Os Santos Populares - São João




São João

Apesar de Santo António ser o mais conhecido, São João é o que detém a maior festa. A animação dura dia e noite e todos estão prontos para a "farra". Contudo, convém referir que se comemora São João do Porto, padroeiro desta cidade, e não São João Baptista como muitas pessoas acreditam.

No Século IX, existia no Norte do país um eremita (pessoa que vive sozinha, longe de todos) chamado João. Enquanto foi vivo deu muitos conselhos às pessoas que lhe iam pedir ajuda. Quando morreu, descobriu-se que muita gente ia ao sítio onde estava enterrado para chamar pelos seus poderes de santo.

No Século XII, uma rainha portuguesa trouxe a cabeça de S. João para o Porto para ser venerada pelas pessoas, sendo que se acredita ser a cabeça que está na capela da Santa Cabeça, da Igreja de Nossa Senhora da Consolação. Sendo que São João do Porto nunca foi aceite oficialmente, começou-se a festejar o São João do Porto no dia 24 de Junho, a mesma data de São João Baptista! Por coincidência, ambos os santos eram eremitas e "perderam a cabeça"!

São João era primo de Jesus e ganhou o nome de "baptista" exactamente porque batizava as pessoas no rio Jordão, derramando-lhes água sobre as cabeças.

São João Baptista também vivia isolado de tudo e todos, como um eremita e refugiava-se no deserto, alimentando-se de mel e gafanhotos. Sem ser dono de nada, vestia apenas uma pele de carneiro.

Grande crítico da política romana era adorado pelo povo e odiado pelo Rei Herodes, que o mandou aprisionar e decapitar, aproveitando um capricho da sua filha, Salomé, que o amava (mas como João Baptista a rejeitou... O rei ficou com um opositor a menos).

O dia 24 de Junho, data do seu nascimento, foi consagrado a São João.

Na noite de São João, a cidade do Porto muda completamente! Nas ruas os foliões passeiam o alho porro (ou, hoje, os martelos de plástico), compram manjerico e comem sardinha assada.

Tudo começa na Ribeira, mas depois do Fogo de Artifício, todos os anos à meia-noite em ponto, a festa espalha-se pelos quatro cantos da cidade e só termina ao nascer do sol.

Para espantar o cansaço vai-se parando nos bailaricos de bairro e salta- se a fogueira! Manda a tradição que a festa culmine com um banho de mar na Foz! Também aqui a festa de São João se mistura com as festas do início do verão, daí as fogueiras e todas as "loucuras" da noite deste santo popular.

Popularmente, acredita-se que a noite de São João é considerada muito boa para adivinhar o futuro. 
Desde casamentos ao ano agrícola e ao clima, tudo se pode saber nesta altura!

Por exemplo:
- Em Beja põem-se, numa tábua, 12 montinhos de sal, aos quais se dão os nomes dos meses. Passam depois a tábua pelo fumo de uma fogueira e deixam-na ficar toda a noite ao relento da manhã. Antes de o sol nascer, correm à tábua para examinarem qual dos montinhos de sal está mais húmido, e é então que sabem quais os meses em que choverá mais, segundo os nomes que lhes deram e a humidade de cada um.

- Em Trás-os-Montes, acreditava-se que o costume de as raparigas cortarem as pontas do cabelo e, antes do nascer do Sol, as colocarem sobre uma silva mansa fazia com que as pontas não voltassem a espigar.

- Em Lisboa diz-se que se na noite de São João a rapariga põe a mesa com dois pratos, talheres e comida e à meia-noite começa a comer, no lugar vazio surge-lhe a figura do futuro noivo.

- No Algarve, segundo a tradição local, enquanto as raparigas dançavam em redor de um mastro enfeitado com madressilva e flores de São João, os rapazes saltavam a fogueira, o que os tornava homens adultos e protegia as crianças das doenças.

As mães passavam por cima das chamas (sem queimar, claro) as crianças doentes ou fracas, e para todos era bom dizer quando saltavam a fogueira: "Fogo no sargaço, saúde no meu braço. Fogo no rosmaninho, saúde no meu peitinho."

Desde a Idade Média que a noite de São João é considerada mágica, acreditando-se que as "mouras encantadas" deixavam a forma de cobras, com que viviam todo o ano, e vêm à tona da água com figura humana.

 Na madrugada de São João vão as mouras estender os seus tesouros à orvalha do campo. Esses tesouros ficam aí encantados sob a forma de figos. Se alguém passa, os apanha e não os come, transformam-se em verdadeiros tesouros. Se, porém, a pessoa que os apanha os come, reduzem-se logo a carvão.

fonte: https://pt.slideshare.net/CristinaAlves9/os-santos-populares

19/06/17

"Memoria y Anatomía del Territorio" - Museo Vostell Malpartida


Dia 21 de junho é inaugurada a exposição temporária “Memoria y Anatomía del Territorio”. O vínculo com a vanguarda artística portuguesa dos ano 70 é explorado nesta exposição, revisitando eventos produzidos a partir de 1978 dos artistas João Vieira, Irene Buarque, São Pestana e Alberto Carneiro.
A exposição pode ser visitada até outubro.
 


14/06/17

Encontro literário Palavra Ibérica


 

É com muito gosto que partilhamos convosco o cartaz e o programa do encontro literário Palavra Ibérica deste ano, que será já nos próximos dias 23 e 24 de junho, Centro Cultural Antonio Aleixo,  sala CA2, em Vila Real de Santo António.

Serão dois días com a presença de vários escritores do Algarve e da Andaluzia, apresentações dos seus livros, recitais, micro-concertos e performances diversas.









13/06/17

O escritor português Manuel Alegre é o vencedor do Prémio Camões 2017




 

Manuel Alegre de Melo Duarte nasceu a 12 de maio de 1936, em Águeda, estudou Direito na Universidade de Coimbra, onde foi dirigente estudantil.
Na ditadura do Estado Novo, apoiou a candidatura do general Humberto Delgado, foi fundador do Centro de Iniciação Teatral da Academia de Coimbra (CITAC), membro do Teatro de Estudantes da Universidade de Coimbra (TEUC), campeão nacional de natação e atleta internacional da Associação Académica de Coimbra.
Dirigiu o jornal A Briosa, foi redator da revista Vértice e colaborador de Via Latina.

Esteve dez anos exilado em Argel, onde foi dirigente da Frente Patriótica de Libertação Nacional, e fez parte dos quadros da emissora de Rádio Portugal Livre.
Na década de 1960, os seus dois primeiros livros, "Praça da Canção" (1965) e "O Canto e as Armas" (1967), foram apreendidos pela censura.


Na nossa biblioteca pode encontrar algumas das obras do escritor.
  
- Cão como Nós
- Uma Estrela
- Jornada de África
- Uma Carga de Cavalaria
- Un perro como nosotros




Novidades no CLP/C


Chegaram ao CLP/C  três filmes pertencentes à "Coleção Escritores Portugueses", em que se fala sobre a vida e a obra de vários autores.

João Pinto Nogueira fala-nos sobre a vida de Nuno Bragança.



Nuno Bragança. Autor de três romances: A Noite e o Riso, Directa e Square Tolstoi, uma coletânea de contos: Estação e uma novela póstuma: Do Fim do Mundo. Argumentista de Os Verdes Anos, filme inaugural do Cinema Novo Português e co-realizador, com Gérard Castello-Lopes e Fernando Lopes, do filme Nacionalidade: Português.

Católico e de família conservadora, milita no MAR (Movimento de Acção Revolucionária). Integra as Brigadas Revolucionárias de Carlos Antunes e Isabel do Carmo ao mesmo tempo que trabalha na representação permanente de Portugal junto da OCDE. A 7 de Fevereiro de 1985, morre, aos 55 anos, num quarto de hotel em Lisboa.




André Godinho apresenta-nos um filme que gira em redor da figura de Manuel Hermínio Monteiro.




O Hermínio gostava de partilhar os seus segredos. Trás-os-Montes era um segredo, como a noite de Lisboa. A comida era um segredo, como o vinho e os charutos. Os amigos eram um segredo, como os poetas, que também eram os amigos. E os livros eram o maior segredo. Desvendou-os todos na editora Assírio & Alvim.

Este documentário conta com a participação de Manuela Correia, Sérgio Godinho, Graça Morais, Manuel António Pina, entre outros. 








Solveig Nordlund fala-nos da vida de António Lobo Antunes.





António Lobo Antunes no auge da sua carreira recebe o grande prémio de literatura da Feira Internacional do Livro em Guadalajara, México. A entrega do prémio é o ponto de partida para uma passagem em revista da sua vida e obra. A infância, a psiquiatria, a guerra colonial, o 25 de Abril, os livros, a doença. Em 2006, foi-lhe diagnosticado um cancro. Foi grave, foi operado. O perigo de morte está ultrapassado. Mas a doença deixou marcas, a sua atitude perante a vida modificou-se, só vai publicar mais dois livros.

Os Santos Populares - Santo António de Lisboa


Santo António de Lisboa


Existem centenas de santos em todo o mundo, mas apenas um nasceu em Lisboa: Santo António, no fim do Século XII. O seu verdadeiro nome era Dom Fernando Bolhão e era descendente de uma família bastante abastada. Não obstante, aos 20 anos decidiu esquecer a herança dos pais e dedicar-se à religião. Nessa época pertencer ao clero era uma grande honra.

Porém fartou-se depressa das falsidades que via à sua volta e tornou-se padre franciscano, ou seja, uma figura dedicada aos mais pobres, tendo mudado inclusive de nome como sinal da sua dedicação à Igreja, substituindo o nome de Fernando pelo de Irmão António. Começou a viajar por todo o mundo, onde se tornou muito conhecido pela sua dedicação a sua vida toda aos outros, tal como mandavam os franciscanos!

Também ficou muito conhecido pelas aulas que dava nas Universidades mais conhecidas da Europa. A Santo António pode-se, igualmente, atribuir o nome de Santo António de Pádua, uma vez que o santo viveu alguns anos nesse lugar. Não se sabe com certeza o ano em que este faleceu, mas a data mais apontada é 13 de junho.

Este santo popular é conhecido como o "santo casamenteiro". Mas porquê? Não se lhe conhece nenhuma mulher e nos seus milagres não consta que tenham a ver com casamentos.Somente se trata de uma mistura entre as festas pagãs e o Cristianismo, uma vez que sendo comemorado no início do verão, numa época relacionada com a fecundidade, quando nascem novos frutos, novos cereais e as pessoas se casavam.

Igualmente, Santo António é evocado como o santo que ressuscita os mortos, que cura as doenças, que assegura e multiplica as provisões, que ajuda os marinheiros, que vela pela felicidade do casamento, que encontra as coisas perdidas e que fala com o Menino Jesus.

Em Lisboa, as celebrações dedicadas a este santo ocorrem desde o Século XVI. Todos os bairros da cidade participavam nas festas e tentavam ser os mais vistosos, nascendo, posteriormente, as marchas populares e atividades variadas que ainda hoje subsistem!
No ano de 1950, surgem as "Noivas de Santo António“. Tudo começou com o jornal "Diário Popular" que ajudava os mais pobres a fazer uma festa de casamento no dia do santo. Juntamente, ofereciam o enxoval e os equipamentos domésticos através de vários comerciantes que ganhavam com a publicidade. E assim nasceu mais uma tradição! 
Nas noites de Santo António acaba o silêncio na cidade de Lisboa e onde for a festa deste santo há sardinhas assadas, música, manjericos, pão quente, vinho e festa até de manhãzinha!

Tradições e crenças

 É uma tradição as crianças de Lisboa pedirem na rua "um tostãozinho para o Santo António“, pois antigamente faziam altares onde as pessoas podiam deixar esmolas para o santo... ou para as crianças!

As raparigas para verem com quem vão casar: "À meia- noite, a rapariga, num quarto às escuras, diante de um espelho, chama por Santo António sete vezes e acende uma vela... e logo verá refletido o rosto do homem com quem casará." Para saberem o nome do rapaz com quem vão casar, a rapariga devia, “depois de se extinguirem as últimas labaredas da fogueira, no borralho que fica, metem 1.000 escudos (5 euros). No outro dia vão buscar o dinheiro e dão-no ao primeiro mendigo que aparece, cujo nome é o nome do homem com quem casarão." 








Milagres de Santo António

• Sermão aos peixes

Conta o milagre que Santo António estava um dia a pregar numa cidade costeira italiana, e como ninguém o queria ouvir, foi até ao mar e começou a pregar aos peixes dizendo: "Ouvi a palavra de Deus vós, peixes do mar e do rio, já que a não querem escutar os infiéis, os hereges". Então, uma grande quantidade de peixes pôs a cabeça fora de água para ouvir falar o Santo, para espanto de todos os que viam aquilo. Foi assim que muitos se converteram ao Cristianismo!

• Menino Jesus

Reza a lenda que existia um Conde muito conhecido que tinha um castelo com um espaço onde os frades podiam dormir e rezar. Um dia, estava Santo António no seu quartinho quando este se encheu de luz e o Menino Jesus lhe apareceu. O Conde viu a luz e também o Santo a pegar na criança, enquanto falava com ela. Na presença deste milagre o Conde ficou maravilhado, mas prometeu ao Santo António que só contava o que se tinha passado depois do Santo morrer.

Daí nasceu a imagem de santo protetor das crianças!


fonte:https://pt.slideshare.net/CristinaAlves9/os-santos-populares

08/06/17

Dia de Portugal na Comunidade Autónoma da Extremadura



A Comunidade Autónoma da Extremadura celebra o

Dia de Portugal, Camões e das Comunidades Portuguesas.


Com a coordenação da Dirección General de Acción Exterior da Junta de Extremadura, são várias as atividades promovidas por inúmeras  entidades estremenhas e portuguesas, como a Secretaría General de Cultura de la Junta de Extremadura; Extremadura Avante; Biblioteca Regional de Extremadura; Biblioteca Pública de Badajoz; Instituto Camões; Escuela de Hostelería y Agroturismo de Extremadura; Editora Regional; Filmoteca de Extremadura; Fundación Helga de Alvear; Confraria Gastronómica do Alentejo; Museo Extremeño Iberoamericano de Arte Contemporáneo de Badajoz; Sociedad Filarmónica de Badajoz; Museo de Arte Contemporâneo de Elvas; Sala Terracota; Club de Lectura de portugués A língua de Camões; Fundación Caja Badajoz; 46 establecimentos de hotelaria de Cáceres e Badajoz e 9 livrarias extremenhas.


GASTRONOMIA E ARTESANATO

A gastronomia portuguesa terá uma relevância especial no dia de Portugal com a “Rota do Petisco”. Trata-se uma rota de tapas portuguesas em 25 bares e restaurantes de Badajoz e 21 estabelecimentos hoteleiros de Cáceres, entre os dias 9 e 11 de junho.
No dia 9 de junho, decorrem na Escola Superior de Hotelaria e Agroturismo da Extremadura, em Mérida, duas demostrações de cozinha alentejana a cargo do chefe Manuel Fialho e uma degustação de produtos alentejanos, a cargo da Confraria Gastronómica do Alentejo.

Entre as novidades, destaca-se uma oficina infantil de cerâmica na Sala Terracota, em Mérida, no dia 10 de junho. Neste espaço os mais pequenos também podem conhecer a história da cerâmica na Extremadura e no Alentejo. As cidades de Évora, Reguengos de Monsaraz, São Pedro do Corval e Salvatierra de los Barros são alguns dos sítios que ajudam a apreciar a riqueza de formas e cores desta tradição milenar, e redesenhar um ícone tão português como é a sardinha.

EXPOSICÕES

Desde o dia 2 de junho está patente na Sala de Actividades Alternativas de Olivenza uma exposição do português Carlos Santos Marques, membros do coletivo Invent'art Atelier.

No dia 8 de junho, inaugura-se no Edificio Badajoz Siglo XXI uma importante exposição que reúne peças de arte contemporânea dos museus MACE (Museu de Arte Contemporânea de Elvas) e do MEIAC (Museo Extremeño e Iberoamericano de Arte Contemporáneo), com a finalidade de imaginar e desenhar o mapa da eurocidade Elvas-Badajoz-Campo Maior.

O Centro de Artes Visuales de la Fundación Helga de Alvear realiza, no dia 9 de junho, uma visita guiada em português à exposição do artista Jürgen Klauke, recentemente inaugurada.


MÚSICA E CINEMA

Dentro da programação do Festival Ibérico de Música de Badajoz, no dia 11 de junho, terá lugar na Residencia Universitaria da Fundación Caja Badajoz um concerto de solistas da Orquestra Sinfónica Juvenil Portuguesa, que interpretarão obras de Brahms, Grieg y Spohr.

A Filmoteca da Extremadura em Cáceres, Badajoz e Mérida  exibe a trilogia “As mil e uma noites” do realizador português Miguel Gomes. Uma versão moderna da obra literária com os títulos: “O inquieto”, “O desolado” e “O encantado”.







LITERATURA

As bibliotecas da região também se juntam a estas comemorações do Dia de Portugal e têm programadas diferentes atividades. No dia 10 de junho à tarde, na Biblioteca Pública “Bartolomé J. Gallardo” de Badajoz, haverá um concerto de fados, uma conferência sobre o humor na literatura portuguesa, uma maratona de leitura em língua portuguesa (com o apoio do Camões, IP) e a exposição “Mais que a leitura”.

A Biblioteca de Extremadura (Plaza de Ibn Marwan s/n) expõe até ao mês de setembro, “Extremadura y Portugal, Letras sin fronteras”. Trata-se de uma ampla mostra que abarca várias décadas de publicações relacionadas com Portugal: estudos literários e artísticos, os primeiros congressos transfronteiriços, a revista literária Suroeste, edições de clássicos lusos, urbanismo, gastronomia, história, política o jornalismo.

As livrarias de Badajoz, Cáceres, Mérida e Olivenza participam também na celebração com uma mostra de autores portugueses e publicações relacionadas com Portugal, que ocuparão um lugar destacado nas suas montras entre os dias 5 e 15 de junho.



Mais informação em:
 http://www.euro-ace.eu/sites/default/files/programa_dia_portugal_en_extremadura_.pdf

24/05/17

Participação portuguesa na Feira do Livro de Madrid 2017




 
Portugal foi solicitado a participar, como País convidado, na Feira do Livro de Madrid, dado o crescente interesse pela programação cultural portuguesa em Espanha e no estrangeiro.
Como País Convidado, organiza um conjunto de atividades culturais, que decorrerão entre 26 de maio e 11 de junho de 2017, na capital espanhola.



A participação portuguesa na Feira do Livro de Madrid tem como objetivo principal a promoção internacional da Cultura e Língua portuguesas, em particular em Espanha.
Esta iniciativa enquadra-se no âmbito da Ação Cultural Externa, um programa interministerial, através do qual, com os recursos de todos os organismos e serviços públicos com atuação internacional nas áreas da Cultura, se promove a internacionalização da cultura portuguesa.


A programação da participação portuguesa:

• combina iniciativas que cobrem os clássicos, a modernidade do século XX e vários autores contemporâneos;
• em torno do livro, conjuga a ficção, a poesia, o ensaio literário, a literatura de viagens e a literatura infantil;
• engloba ainda incursões pelo cinema, pela música, pela leitura ao vivo e encenada de distintas obras, pela fotografia, pela museologia e pelas mais recentes plataformas
tecnológicas de divulgação e conhecimento da literatura;
• destaca autores consagrados, como são os casos de Luís de Camões, Fernando Pessoa, Eça de Queiroz, Sophia de Mello Breyner Andresen e José Saramago;
• Foca, para além dos cinco referidos, mais de 50 criadores culturais lusófonos.

INICIATIVAS
Encontros de Escritores Lusófonos
Sessões sobre autores
Apresentação de obras
Leituras
Conferências
Cinema e Literatura
Concertos
Mesas redondas
Eventos associados
Programação infantil




ENCONTRO DE ESCRITORES LUSÓFONOS
• Portugal (Valter Hugo Mãe)
• Brasil (Evanildo Bechara)
• Angola (Ondjaki)
• Moçambique (Mbate Pedro)
• Cabo Verde (José Luís Tavares)
• Guiné - Bissau (Flaviano Mindela)
• S. Tomé e Príncipe (Olinda Beja)
• Timor – Leste (Luís Cardoso)





SESSÕES SOBRE AUTORES
• “¿Por qué ler a Luis de Camões hoy?”, com Julio Llamazares e Lorenzo Silva, moderação de Daniel Peña, organizada pela Cátedra Luís de Camões
• “Mar, metade da Minha alma é feita de maresia”, sobre Sophia de Mello Breyner Andresen, com projeção do filme “Sophia”, de João César Monteiro, seguida de debate com Ana Luísa Amaral e Maria Andresen
 
• “La risa de Eça de Queiroz”, com Antonio Muñoz Molina e Filipa Soares 
• Conferência sobre Almada Negreiros, com Nuno Júdice 
• “Fernando Pessoa: poeta y pensador”, com Pablo Javier Pérez López
• Sessão sobre a obra de José Saramago, com Pilar del Rio, Pilar Reyes e José Luis Peixoto
• Sessão sobre a obra de Ruy Belo, com Teresa Belo, Pedro Serra e Fernando Pinto do Amaral
• Colóquio sobre Maria Gabriela Llansol, com Pablo Beneito e Paulo Borges

• Sessão sobre a obra de Herberto Helder, com o seu tradutor José Luis Puerto
• Sessão “Conversaciones con António Lobo Antunes”, com Maria Luisa Blanco






APRESENTAÇÃO DE OBRAS
• “Almada Negreiros en Madrid”, com a autora Filipa Soares e Enrique Andrés
• “Húmus”, de Raúl Brandão, com a participação de Nuno Júdice e Maria João Reynaud e o Presidente da Câmara do Porto
• “ Vou ao Teatro ver o Mundo”, edição INCM com o editor Duarte Azinheira e a Ilustradora Abigail Ascenço
• Coleção “Grandes Vidas Portuguesas”, com a apresentação de Inês Fonseca Santos, Carlos Maia de Almeida e José Fanha (escritores) e Nuno Saraiva (ilustrador)
• “Guia Ler e Ver Lisboa”, com Rui Cardoso Martins
• “Cuentos populares portugueses”, com o autor da seleção José Viale Moutinho e apresentação de Michi Strausfeld
• “Salgueiro Maia. La libertad no es una utopia”, uma antologia em homenagem a Salgueiro Maia, das Ediciones Liliputienses, por José Maria Cumbreño
• “Una casa con palabras adentro”, de Maria do Rosário Pedreira
• “Explicación de los hombres y otros animales” (2015), “Hombres que son como lugares mal situados” (2016) e “De los líquidos” (2017), de Daniel Faria, com apresentação de Eduardo Ayuso, Director da Editora Sígueme, com Valter Hugo Mãe e com o tradutor Luis Maria Marina
• “ Los paseos del soñador solitário”, de Almeida Faria, com a presença do autor, apresentação de César Antonio Molina e moderação de Antonio Saez Delgado
• “Herramientas de Coaching" de João Catalão e Ana Penin da editora Lidel
• “Poetas de Lisboa” da editora Lisbon Poets, com Pedro Serra, Maria Matta e Miguel Neto





LEITURAS

• Leitura dramatizada de “Jangada de pedra”, de José Saramago
• Leitura bilingue de poemas de Fernando Pessoa, com Marifé Santiago e Filipa Soares
• Leitura bilingue do livro “Oscuro”, de Ana Luísa Amaral, com a autora e Luis Maria Marina
• Sessão “Vem dizer um Poema”, convite à leitura de poesia portuguesa
• Tertúlia Literária “Los Diarios de Miguel Torga” 



CONFERÊNCIAS

• Conferência “El iberismo en Saramago”, com César Antonio Molina
• Conferência “Liberdade imprensa: Expresso e El País, dois casos de sucesso”, com Francisco Pinto Balsemão e Juan Luis Cebrián, moderação de Pedro Berhan da Costa
• Conferência “Comprender Portugal y España”, com Carlos Taibo (autor do livro “Comprender Portugal”), e Gabriel Magalhães
• Conferência “Poetas ibéricos da nova geração”, com Fernando Pinto do Amaral
• Conferência “Hablar portugués, es fácil?”, com Filipa Falcato 
• Conferência “A música portuguesa a gostar dela própria”, com Tiago Pereira
• Conferência “Vanguardas literárias portuguesas”, com Perfecto Cuadrado
• Conferência “Huellas de Portugal en la historia de Madrid”, com Antonio Iraizoz
• Conferência “A integração cultural dos refugiados”, com Rui Marques
• Palestra sobre a biografia multimédia de Manuel António Pina, com Luís Humberto Marcos
• Conferência “Unamuno: una mirada hacia Portugal”, com Filipa Soares




CICLOS DECINEMA E LITERATURA”


• Com o filme “Ensaio sobre a cegueira”, realizado por Fernando Meirelles e adaptado de obra de José Saramago
• Com os filmes “O Delfim”, realizado por Fernando Lopes e baseado na obra de José Cardoso Pires e “Olga”, realizado por Jayme Monjardim e baseado na obra de Fernando Morais
• Com o filme “O Primo Basílio”, realizado por Daniel Filho e baseado na obra de Eça de Queiroz
• Com os filmes “5 dias, 5 noites”, realizado por José Fonseca e Costa e baseado na obra de Manuel Tiago (pseudónimo de Álvaro Cunhal) e “Memórias Póstumas”, realizado por André Klotzel e baseado na obra de Machado de Assis
• Com o filme “Os Imortais”, realizado por António-Pedro Vasconcelos e baseado na obra de Carlos Vale Ferraz, com a presença do realizador.
 Os ciclos são iniciativas das Embaixadas de Portugal e do Brasil e da SEGIB



CONCERTOS

• Concerto O’queStrada
• Concerto de Vitorino, Caixa de Pandora e de Cante Alentejano (Pias)
• Concerto de Luis Pastor, cantando letras de José Saramago
• Concerto de Lula Pena
• Concerto B Fachada
• Concerto Norberto Lobo



MESAS REDONDAS

• Festivais Literários em Portugal, com representantes dos festivais Correntes D’Escritas, Literatura em Viagens, Festival Internacional de Cultura e Festival Literário Internacional de Óbidos, com moderação de João Morales
• Apresentação da Editora “La umbria y la solana”, especializada na edição de autores portugueses, com Diretor da Editora, e Antonio Sáez Delgado, Professor da Universidade de Évora, moderada por Luís Maria Marina
• Livrarias históricas de Portugal e Espanha, com a participação de representantes das livrarias La Central, Antonio Machado, Lello, Bertrand e Ferin/Ler Devagar 
• “Clássicos da literatura Portuguesa”, com Ivo Castro (Pessoa e Camilo), Carlos Reis (Eça), João Dionísio (Garrett), Manuel Portela (especialista em edição digital e bases de dados, fundamentais para as edições críticas digitais), organizada pela INCM
• Projetos de Portugal e de Espanha relativos à promoção da leitura, com a participação da Biblioteca de Vila Velha de Ródão, DGLAB, Maratón de los Cuentos de Guadalajara, e Fundación Germán Sánchez Ruipérez, organizada pela DGLAB
• “As traduções ibéricas das canções de Bob Dylan”, com os tradutores portugueses Angelina Barbosa e Pedro Serrano e o espanhol, José Moreno, com moderação de Chris Rollason
• “Cimas, simas y el alma”, com Gonçalo M. Tavares, entre outros convidados, moderada por Miguel Ángel Barroso, organizada por ABC Cultural
• As atuais relações entre as literaturas portuguesa e espanhola, com apresentação da coleção “Letras Portuguesas” e novidades da Editora Regional da Estremadura, com Eduardo Moga, Director da Editorial, Eduardo Pitta e Luis Maria Marina 
• Literatura, jazz e física quântica, e a ciência da sinestesia, com o subdirector do Museo Reina Sofia entre outros convidados, moderada por Stefano Russomano, e organizada por ABC Cultural




EVENTOS ASSOCIADOS

• Tertúlia “Que te inspira Portugal”, com bloggers de viagens espanhóis, organizada pelo Turismo de Portugal
• Seminário sobre “Portugal Marca en la Tecnología de Educación”, participação de empresas portuguesas e organização da AICEP
• Workshop “Poesia a copo”, organizado pelo Turismo de Portugal
• Inauguração da exposição fotográfica “Loaded Shine”, de Paulo Nozolino, e conversa com o artista e outros convidados, organizada por PhotoEspaña, Fundación Telefónica

• Performance Arte Institute: leitura de textos de autores portugueses, com a presença dos autores e outras personalidades, entre as quais Pilar del Rio, organizado pela AICEP 
• Sessão de apresentação “Passado e Presente – Lisboa - Capital Ibero - Americana de Cultura 2017”, seguida de conversa “Crónica em Portugal”, com a participação de Capicua, Pedro Mexia e Rui Cardoso Martins, e moderação de Raquel Ribeiro, organização da Câmara Municipal de Lisboa 
• Sessão de apresentação do MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, com o seu Diretor, Pedro Gadanho 
• Apresentação da livraria portuguesa “Déjà Lu”, com Francisca Prieto (projeto solidário cujas receitas revertem 100% para a Associação Portuguesa de Portadores de Trissomia 21)



PROGRAMAÇÃO INFANTIL

• Iniciativa “Viva nuestra Energía/Tu Energía”, sobre sustentabilidade e poupança energética, dirigida ao público infantil e promovidas pela Fundación EDP
• Oficinas de Ilustração com Catarina Sobral
• Oficinas de Ilustração com Margarida Botelho e Mário Rainha
• Oficinas de Ilustração com Planeta Tangerina (Ana Pessoa e Joana Estrela)